Artigo escrito

  • em 23.08.2010
  • às 06:54 PM
  • por sebraerj

Como calcular o valor do pró-labore de cada um dos sócios de uma empresa? 57

ago23

Quem monta um negócio e se dedica a esse negócio, precisa obter daí o seu sustento. As necessidades pessoais e de sua família serão satisfeitas através de um valor que o empreendedor irá retirar de sua empresa.

A famosa retirada pró-labore serve, portanto, para satisfazer as necessidades pessoais do empreendedor, dos sócios investidores que se dedicam ao negócio.

prolabore
Há certa confusão quando falamos em retiradas e distribuição de lucros, pois às vezes um sócio investidor não dedica tempo algum na administração da empresa. Neste caso ele deveria ter apenas a participação nos lucros de acordo com a participação deste no capital da empresa, e a distribuição desses lucros deverá ser planejada para evitar descapitalizar o caixa.

Mas em relação aos sócios que dedicam tempo para a empresa, devem obter desta um valor para satisfazer suas necessidades, como já falamos, uma retirada pró-labore.

Mas como definir esse valor? Segue duas dicas de definição do valor da tal retirada:

1ª) faça uma relação de suas despesas pessoais, os gastos de “casa” e da família, no caso de ser você a única fonte de renda da família. No caso de haver outra pessoa que contribua na renda familiar faça uma divisão das despesas gerais e veja qual a sua parcela de responsabilidade pelos gastos gerais. Compare os valores do mês atual com os últimos seis meses e defina um valor médio. Se for o caso, estabeleça uma média anual, pois existem despesas que acontecem apenas no começo do ano, como materiais escolares, por exemplo.

2ª) defina a sua função na empresa, por exemplo, você desempenha a função de um gerente de compras e produção ou de vendas e administrativo. Analise suas principais atribuições no negócio, pois a tendência é você concluir que é um gerente de tudo, mas na verdade você se dedica mais a uma função do que à outra. Após essa conclusão, pense que se você tiver que se ausentar do negócio, qual o salário de um substituto? Quanto valeria no mercado de trabalho um gerente ou administrador para exercer as suas funções? Você pode consultar empresas de recrutamento e seleção para apurar essa informação. Pode ainda consultar alguns grandes jornais que possuem suplementos ou cadernos específicos que trazem valores médios de salários do mercado de trabalho.

Mas segue um alerta! Uma vez definido o valor da retirada pró-labore, é necessário avaliar se a empresa gera recursos para que o empreendedor possa realizá-la.

Como essa retirada servirá para satisfazer as necessidades dos empreendedores, e tais necessidades não variam de acordo com as vendas da empresa, ela deve ser considerada uma despesa ou um gasto fixo. Isso quer dizer que independentemente do volume de vendas os empreendedores deverão ter suas retiradas periódicas, pois precisam delas para suas despesas pessoais, ou seja, para sobreviver.

Como já falamos, o importante é saber se a empresa possui vendas suficientes para arcar com tais gastos, e, se não, atitudes deverão ser tomadas, ou de redução dos valores de retiradas (o que significa mudar seu estilo de vida ou os gastos familiares) ou de aumento nos volumes de vendas (que significa mudança nas estratégias adotadas pela empresa). Seja qual for a atitude a ser tomada, será necessários algum sacrifício, ou do empreendedor ou da empresa.

———————————————————
Sobre o autor: Rosendo de Sousa Júnior é consultor do financeiro do Sebrae/SP

Acompanhe os comentários via RSS

Existem 57 comentários para este assunto

  1. marcos luiz disse:

    Gostei muito da matéria citada, sou empreteco e estou num dilema, minha esposa é empresária e não empreendedora, está errando muito no pró-labore ou seja retira além do que é possível, é muito difícil conversar com ela sobre o assunto, gostaria de receber por email uma matéria mais completa sobre o assunto se possível, deste já agradeço. abraço fraterno a toda equipe.

  2. Lucimara Oliveira disse:

    Gostei muito desta dica pois quando começamos um negocio tem que haver sacrificios de ambas as partes da empresa e da familia,áte que aja um ganho com retiradas certas. obrigado

  3. francisco caninde de souza disse:

    prof.rosendo faço parte de varios curso pelo sebrae, mais nunca eu consegui fazer ou seja meu pro-labore,nem da minha familia que trabalhamos junto,sempre falo para meu gernte do sebrae, que eu necessito de uma ajudar maior ou seja que ele pegasse junto comigo
    sempre cobro dele e acho muito importante para minha empressa sao duas coisa o fluxo de caixa e o pro-labore,oque voce acha eu to certo em pedir uma atençao ou e um poblema so meu

  4. PAULO CESAR DE ALMEIDA BARROS LOPES disse:

    Bom dia!
    Estou lhes sugerindo que se vocês pudessem, direcionassem matérias mais específicas para os empreendedores do ramo imobiliário.
    Desde já sou lhes gratos por todas as informações enviadas por vocês.

  5. Eduardo Florence disse:

    Eu não acredito que em pleno 2010 ainda existam comentários sobre pró-labore. Desde de 1998 quando montei minha empresa e assisti uma palestra do Sebrae fui informado que a Distribuição sobre lucro líquido era muito melhor, pois não havia descontos de imposto de renda e INSS. Faço isto até hoje.
    Sei que vão dizer “não é bem assim”, mas façam ser “bem assim” e não vão se arrepender. Se não possuem um lucro médio mensal de 2500, como vão querer pró-labore de 3000. Fora os descontos de IR e INSS.
    Consultem seu contador sobre DSLL.

  6. Heloisa Leal Costa Mayall disse:

    Gostei do artigo. É muito importante o empresário levar em conta na média anual dos gastos pessoais para estabelecer seu pro-labore, o período de poucas vendas de cada negócio, onde o caixa deve ser preservado para não haver falta de capital de giro.

  7. Jorge Dani disse:

    Existe alguma legislação sobre as empresas de que, limite-se o valor do pró-labore para os sócios?

  8. Douglas Linhares disse:

    Gostei muito da matéria! Eu e mais 3 sócios estamos abrindo uma empresa de serviço na construção civil e definimos que do lucro cada um teria direito a 8% sem não estivermos efetivamente atuando na empresa, caso contrario além dos 8% um adicional por atuação de 6,5% totalizando 12,5% assim agente define 50% do lucro para empresa e 50% do lucro para os sócios. o percentual do socio que não atuar na empresa é dividido para os que trabalharam efetivamente. Dessa forma estaria sensato ?

  9. marco rocha disse:

    caro amigo.gostaria de saber o seguinte
    montei uma empresa junto a mais tres socios
    um dos socios tem50% o outro 30% e os dois 10% cada um
    como devo dividir o meu prolabore sendo q .os q tem menos quotas se dedica mais d q os q tem mais

  10. sebraerj disse:

    Olá Marco. Tentei enviar um e-mail mas seu endereço está errado. Peço que entre em contato conosco, via forum, no endereço http://www.sebraerj.com.br/forum. É gratuito e temos consultores a disposição para orientá-lo.

  11. Jorge Alberto Medeiros dos Santos disse:

    Bom dia gostei muito do esclarecimento de vocês.
    Porém montei uma sociade distribuida da seguinte forma quanto aos investimentos:
    Sócio A: 47,5% – Esta implantando toda parte Adm/Financeira/Custos
    Sócio B: 47,5% – Só entrou com o dinheiro e é um assistente
    Sócio C: 5,0% – Conhece o como fazer da produção e vende

    Como posso determinar um pró labore justo?

    Agradeço

    Jorge Alberto

  12. TIAGO disse:

    Eu honestamenet acho bem perigoso essa parte do “veja quanto você tem de gasto no mês”, então se eu tiver gastos de 4 mil reais, deve ter este valor de pro-labore, independente da minha função?
    Como empreendedor, que sabe que o dinheiro é o alimento da empresa, eu sempre defendo que o pro-labore deve ser pago um valor próximo ao que se pagaria de salário para uma pessoa exercer a mesma função que você. Mesmo que seus gastos sejam menores que o pró-labore recebido, e justifico isso justamente pelo percentual da sociedade que cada sócio tem, por muitas vezes este percentual tem uma disparidade muito grande, e ao abrir mão de algum valor, na hora da distribuição dos lucros, será feita uma injustiça. E caso não seja o suficiente para pagar as contas do mês, o empreendedor deve buscar baixar suas despesas fixas pessoais, ou guardar parte das distribuições dos lucros para interar nas despesas pessoais.

    O fato é que para a empresa não é racional, pagar um pró-labore de R$4.000,00 para um sócio que desempenha uma função que um colaborador receberia R$ 2.000,00.

  13. Dilma disse:

    Muito importante esta matéria, principalmente para empresa familiar, que as vezes não conseguem ter ter esta visão.
    Muito interessante.

  14. DILMA disse:

    Esta mensagem esclareceu muito minha dúvida.
    Muito interessante!

  15. Jaqueline disse:

    Como saber qual valor destinar? Se temos uma sobra de 5 mil reais por exemplo, quanto deste valor deve ser destinado a divisão de pro labora entre os socios?Não devemos deixar um valor em caixa? Obrigada!

  16. erasmo da silva cunha disse:

    boa tarde gostaria de saber sea legislacao mestabelece um teto maxmo de margem para venda.

  17. Michele Anressa disse:

    oi, eu estou abrindo uma empresa onde sou eu meu marido, como podemos definir o pró-labore, ele inda quer colocar seus irmãos para trabalhar, eles entram como sócio, ou como empregados? como devo fazer essa divisão para não dar um problema de família, Eles não entendem nada sobre o negocio, eu vou trabalhar na parte administrativa, meu marido Têm outro emprego, eu pedi que ele treinasse apenas um funcionário para, eu poder desenvolver a empresa, que é voltada pra o ramo de decorações.o que devo fazer?

  18. rodrigo disse:

    ola pessoal tudo bem …..estou cm um problema ….na minha empresa samos 3 socios de partes iguais….sempre fazemos divisoes de lucros tem mes que estamos cm dinheiro sobrando e tem mes que estamos no vermelho ultimamente estamos sempre no vermelho..na verdade e um empresa pequena renda de 10 mil reais por mes liquido. samos em 3 socios um deles puxa quase todas as responsabilidades pra ele nunca quer dividir isso cm os outro….o que devemos fazer para melhorar ..sendo que um deles e bem carismatico,outro mei iguinorante e o outro muito sussegado de mais sendo que nem deles tem diciplina.. o que devemos fazer para melhorar qual o primeiro passo: desculpe se nao escrevi certo nao sou brazileiro ….

  19. Gilcéia Couto disse:

    Bom dia Rodrigo!
    Realmente sociedade é um assunto sério e bem delicado. Se no início não foram estabelecidas as regras e responsabilidades de cada um dos sócios, ainda dá tempo para tentar corrigir isso.
    O ideal é uma reunião, onde os serviços internos podem ser definidos para aqueles que têm mais aptidão para esse tipo de trabalho, ficando a parte de comercialização do produto ou serviço, com aquele que possui características fundamentais para se lidar com o público.
    Fica claro que o que está faltando nessa sociedade é a disciplina, com atribuições bem definidas e principalmente o comprometimento de todos para o sucesso do negócio.
    Nada será mudado se não houver a atitude e a vontade de todos em provocar mudanças em seus comportamentos, valorizando e respeitando as capacidades profissionais de cada um.

  20. Gilcéia Couto disse:

    Bom dia Marco/Jorge/Tiago/Jaqueline:

    Percebemos muitas dúvidas com relação ao estabelecimento de valor para um pro-labore e gostaríamos de colocar nossa visão.
    Claro que se a empresa não tiver faturando e dando lucro, fica difícil se definir uma retirada para os sócios, porque a empresa não terá como bancar essa despesa.
    No momento em que ela chega ao seu ponto de equilíbrio – quando a receita empata com as despesas, chega a hora de se estipular um valor justo para o sócio, podendo ser o valor que o mercado está pagando para um gerente/supervisor que executa as mesmas funções que o sócio está executando.
    Com isso se cria um salário para os sócios, de acordo com as funções e responsabilidades que ele executa. Assim esta despesa deverá ser inserida no custo fixo da empresa e somente após as deduções dos custos fixos e variáveis, ficando assim evidenciado o lucro.
    Quando da abertura da sociedade deve ser estabelecido como a empresa fará com o lucro: reinvestir , parte ou totalmente, na própria empresa; colocar em reserva técnica algum percentual e dividir entre os sócios o restante ou deixar para que a divisão seja feita anualmente após o resultado do exercício? Tudo isso são definições que têm que ficar claro entre os sócios.
    O ideal mesmo é entender que o lucro é da empresa e com esse entendimento perceber que o lucro é dela e que ele será empregado para o crescimento do negócio.
    Afinal de contas, cada sócio já estará recebendo o seu pró-labore!

  21. Paulo Sgarbi disse:

    boa tarde

    gostaria de saber qual a maneira correta de dividir os prolabores e a divisão de lucros de uma sociedade?
    Qual a % q uso para o prolabore , divisão de lucros trimestral e o % para o socio q atua em periodo integral na empresa?

    A empresa é no ramo de extração mineral ( areia ) tem 2 socios com cotas iguais (50%) cada.

  22. Maria Inês disse:

    tenho uma empresa com ramo agropecuario, trabalhamos em regime familiar, cujo os 2 filhos tem participação de 30%, 0s 70% restantes são divididos entre mim e meu ex esposo, gostaria de saber se o valor do meu investimento deve ser calculado em relação ao lucro na divisão do meu prolabore, ou seja o valor condiz com a proporção do meu capital.Como calcular?

  23. Gilcéia Couto disse:

    Bom dia, Maria Inês!
    Normalmente a divisão do lucro é proporcional a cota de participação de cada sócio, para que não gere atritos entre as pessoas.
    Mas isso é muito subjetivo e a definição dessa proporção varia de acordo com os critérios estabelecidos pelos sócios. Até porque há diferentes tempos de dedicação dos sócios nos negócios, como também aqueles que são sócios apenas capitalistas e que não atuam diretamente na empresa.
    O ideal é que qualquer distribuição tenha suas condições pré-estabelecidas e acordadas, se possível até através de cláusulas contratuais.

  24. joel marcos domingues disse:

    Muito esclarecedor, poderia me enviar um email pra eu saber exatamente a porcentagem a ser calculada? Desde ja agradeço

  25. Gilcéia Couto disse:

    Boa tarde, Joel!
    Infelizmente o prolabore dos sócios é uma questão que depende de acordo entre as partes.
    Quando falei em porcentagem, é porque em muitos casos, se no contrato social um sócio tem 60% e o outro 40%, na hora da divisão do lucro essa proporção pode ser a mesma.
    Só que isso pode ser assim ou, se eles concordarem, em qualquer outra divisão também será correto.
    Cada empresa faz de um jeito…não se tem uma regra fixa!
    É sempre um acordo!
    É interessante que essa combinação fique acertada logo no início do negócio, para evitar surpresas posteriores que causem desagrados.
    Abç

  26. joice disse:

    oi meu esposa foi convidado para uma socieda,sendo q o socio dele quer ficar com 75% e ele ficaria com 25% .o socio alega q ele tem mais direito por q o nome de q seria usado ,mais meu esposo q trabalharia no caso seria a mao de obra e o so na divisoa do dinheiro isso é certo?

  27. Gilcéia Couto disse:

    Boa noite, Joice!
    Tudo que envolve uma sociedade, deve ser combinado antes de se começar para ficar acertado e sem aborrecimentos futuros.
    Seria interessante definir as funções de cada um e ver se o que seu marido vai receber, é o mesmo salário que o mercado está pagando, para executar as mesmas atividades.
    Você não esclarece que seu esposo vai entrar com algum capital ou só com a mão de obra. Existem casos que, como um dos sócios é o capitalista (é quem entra com o dinheiro) que a divisão do lucro para ele é maior. Cada caso é um caso …
    Espero ter lhe ajudado!
    Abraços

  28. edson rogerio salla disse:

    bom dia, estou querendo abrir uma sociedade onde A entra co o dinheiro e o B com a mao de obra. como fazer o pro-labore e planejar uma retirada para equiparar o socio B no investimento.
    abraços, obrigado.

  29. Gilcéia Couto disse:

    Boa tarde Edson!
    Se o sócio B é que vai trabalhar, o seu prolabore deve ser de acordo com as funções que ele irá atuar, com a retirada equiparando-se ao profissional que exerce a mesma função em outras empresas.
    Normalmente quando se trada de sócio só investidor e que não atue na empresa, ele terá direito à distribuição do lucro/prejuízo, mas não de “retirada”.
    Prolabore/retirada é o salário do sócio, desde que ele trabalhe na empresa.
    Todos estes assuntos devem ficar combinados, antes do negócio começar para evitar futuros desconfortos.
    Abç

  30. joel marcos disse:

    Teria como me responder c um email como calcular participacao de lucros de minhas socias, pois eu administro a producao, sou desnger faco as manutencoes e partes eletricas, e elas nao tem funcoes definidas, me ajudam d x em quando na expedicao ou seja a embalar as mercadorias, me responda por favor e muito obrigado

  31. Gilcéia Couto disse:

    Olá Joel, tudo bem?
    Voce não informa o que foi acordado entre voces, quando iniciaram o negócio ou o que está descrito na cláusula contratual referente a Distribuição de Lucros, isso se a empresa estiver legalizada.
    Mas se nada foi acertado antes, o ideal é vocês se reunirem e definirem essa distribuição, até porque não se sabe quanto cada um investiu para a abertura da empresa. Há muitos casos da distribuição dos lucros, se na mesma proporção do percentual de investimentimos dos sócios.
    Quanto ao fato de você trabalhar bem mais do que elas, lhe dá o direito de fazer uma retirada mensal maior (prolabore), recebendo o valor que o mercado paga para quem exerce as atividades que voce executa.
    Mas, isso tudo é um assunto que o ideal é que as proporcionalidades sejam objeto de acordo entre as partes envolvidas.
    Feliz 2013 para você! Abç

  32. Rita de Cassia disse:

    Boa noite,tenho uma empresa no qual possuo 70% e meu sócio 30% como devo fazer a divisão do pró-labore.Ele exerce atividades importante tanto quanto eu.Obrigado.

  33. bianca cristina de oliveira disse:

    estou com grande duvida sou socia do meu marido em uma empresa, onde ganho 30% e ele 70%. as despesas tem quer dividir 50% ou o valor da minha cota 30%. por favor me ajudem com essa duvida. um abraço

  34. Gilcéia Couto disse:

    Rita e Bianca, boa noite!
    Normalmente, quando há divergência de aplicação do percentual para a formação de capital na constituição de uma sociedade, é fundamental que fiquem acertadas as quotas tanto de distribuição dos lucros, como também os valores da retirada mensal de cada sócio, em função de suas responsabilidades.
    As despesas da empresa devem ser deduzidas do total da receita/faturamento do mês e normalmente elas não são pagas em razão do percentual investido.
    O valor encontrado (lucro/prejuizo) é que sempre é objeto de distribuição entre os sócios ou de um fundo de reserva para futuros investimentos no próprio negócio.
    Abç
    Após definir o lucro é que se pode dividir o valor entre os sócios, se foi isso que ficou combinado entre eles

  35. Sandra Poser disse:

    Bom dia! eu tenho uma duvida respeito do prolabore. Minha socia e eu temos 50% de um lavarapido cada uma. O problema e que brigamos ao ponto de nao nos falar mais, e ela simplesmente saiu. Nos nao tinhamos determinado um prolabore e por tratarse de uma empresa pequena, a cada mes, o lucro era dividido. O trabalho era tambem dividido, revezando as semanas. Agora estou trabalhando sozinha, para tentar levantar o movimento e vender, para desfazer a sociedade. O lavarapido deveria deixar um lucro de +/- 12 a 15 mil mensais, mas nao esta acontecendo por diferentes fatores como chuva, batida, em fim, sempre tem uma surpresa. Infelizmente a minha socia nao so nao trabalha, mas fica me incomodando para eu dar uma porcentagem sobre o valor do faturamento. Eu acharia justo por um valor de um prolabore de pelo menos 7 – 8 mil, para cubrir as minhas despesas e o que nao der para tirar, sendo que ela nao esta colocando o seu tempo e esforço, eu acho que ela deveria arcar com as diferenças, seja mes a mes, seja como indemnizacao na hora de vender. O que fala a lei ao respeito de abandono de trabalho de um dos socios? Tem algum jeito de fixar meu prolabore juridicamente se ela nao concordar -e ela obviamente nao vai…- Muito obrigada

  36. Gilcéia Couto disse:

    Sandra, o prolabore é devido ao sócio que trabalha, que atua na empresa e normalmente o seu valor se aproxima aos das pessoas que trabalham no mesmo segmento no mercado e que tem as mesmas responsabilidades. Este valor deverá estar incluso nas despesas fixas da empresa (salarios, luz, aluguel, água, etc).
    Para o socia que não trabalha, terá direito a divisão do lucro = Receitas – despesas (com seu prolare incluído nessas despesas).
    Do resultado é que ela tem 50% e vc os outros 50%.
    Esse é o praxe! Abç

  37. izabel disse:

    Quando a empresa não tem faturamento portanto não gera receita é necessário ter prolabore e recolher os imposto (INSS)

  38. Betânia Tavares disse:

    Boa tarde!
    Estou entrando como sócia na abertura de uma empresa cujo ramo não tenho experiência. A empresa será composta por 2 sócias. Todo o investimento relativo às instalações e equipamentos, custos com abertura, reserva de capital será bancado por mim. Também trabalharei diariamente, administrando/gerenciando. Tenho 20 anos de experiência na área administrativa . A outra sócia entrará com a experiência técnica e trabalho em cuja área ela tem 30 anos de prática). Pelos comentários anteriores, verifiquei que o pro labore de cada uma pode ser de acordo com o mercado ou acordo entre as partes. Minha dúvida maior é como seria a divisão do lucro, caso ocorra e como seria a recuperação do meu investimento inicial? Como funciona uma sociedade iniciada nesse formato? E como funciona a extinção de uma sociedade também nesse formato?
    Agradeço a atenção e aguardo retorno.
    Atenciosamente,
    Betânia

  39. Boa tarde! Gostei bastante desta matéria. Sou empreendedora individual, tenho uma pequena lanchonete direcionada para alimentação saudável dentro de uma academia. Em novembro deste ano estará completando 3 anos de existência. Possuo uma funcionária. Quanto ao prolabore estão definidos em gastos como: aluguel, luz, internet e supermercado de casa, gastos com vestuário e idas ao salão de beleza e diverssão. Todos os gastos são anotados desde até os mínimos valores. Não estou conseguindo guardar dinheiro para a compra do meu tão sonhado carro. Porém o valor de meu salário não é fixo, porque quando há uma queda nas vendas(período de férias, final de ano) fico no aperto só. Vale resaltar que sou solteira, e minha mãe mora comigo e me ajuda apenas com o pagamento da energia. O restante das despesas sou eu quem respondo. Gostaria de uma luz pra saber aonde estou errando. Fiz recentemente o curso Sei cuidar do meu dinheiro, contudo ainda restam muitas dúvidas. Fico muito grata se me ajudar.

  40. HAROLDO CHAVES disse:

    gostei muito um excelente aprendizado

  41. Pedro Füchter Filho disse:

    Boa Noite! gostaria de saber se um socio com 70% do quadro societario é obrigado a aceitar a presença na administração da empresa do outro?…
    Abraço…

  42. Kathleen disse:

    Muito bom !!!!

  43. João disse:

    Uma firma foi aberto por pessoa do meu parentesco sendo dois sócios meio a meio o capital, e estabelecido o pro labore de R$3000,00. Um dos sócios, no início das atividades já fez duas retiradas mas a empresa não está gerando faturamento para pagar o pró labore do outro sócio, devido ao pagamento de muitas despesas no início das atividades. O que fazer?

  44. peterson Frota disse:

    Bom dia

    montei uma empresa com mais 2 pessoas mas administro mais que eles um é apena ajudante e motorista mas não sabe muito quando falto a empresa nem abre . como faço para fazer as divisoes.

  45. Daniele Goçalves Dias disse:

    Boa noite,meu marido entrou como diretor pro labore de uma empresa,más na realidade ele e que dava todas as ordens na empresas.Trabalhava como um empregado normal.Recebia apenas uma contribuição como empregado pro labore,tudo já vinha direto do escritorio com o valor certo.Nunca fez uma retirada como (Socio como diziam que ele era).Agora reincidiram o contrato,disseram que ele não tem direito a nada.Por favor me esclareça quais sãos os direito.Como diretor empregado.

  46. FABRIZIA CAMILO DA SILVA disse:

    Tenho uma MEI, e não consigo calcular meu pro labore pois sou eu que faço tudo; administro, compro, vendo e produzo. Tenho apenas uma pessoa para me ajudar no atendimento, como devo calcular isto?
    Espero uma ajuda imediato.

  47. Cintia Oliveira disse:

    Por Gentileza, gostaria de saber se eu posso estabelecer 20% do faturamento da empresa para os dois sócios como a retirada e os 80% restantes para os custos e investimentos? Se faturamos 50.000 mês distribuimos 10.000 e os 40.000 ficam para a empresa. se for mais ou menos seria da mesma forma. Acho que fica mais motivante para os sócios.

    Obrigada

    Obrigada

  48. johnny disse:

    gostei da matiria vai me ajudar a melhora o andamento da minha empresa em todus pontos nessesario.

  49. Selma de Araujo Camargo disse:

    Boa tarde
    Sou cabeleireira e tenho um pequeno Salão e sou micro empreendedor individual desde 2011 e não tenho contador, preciso saber como conseguir um papel do prolabore?

  50. Oliver de Almeida disse:

    Tenho uma sociedade que detenho 40% e meu sócio 60%. Fazemos a divisão dos lucros nessa proporção. Eu trabalho na empresa todos os dias aproximadamente 08h/dia como uma espécie de gerente administrativo e somente faço retirada de 40% dos lucros e tenho despesas fixas todos os meses. Meu sócio vai à empresa 03 vezes por semana para fazer seus atendimentos médicos e depois vai embora. Esses atendimentos feitos na empresa são repassados integralmente para o mesmo, sendo que é feito uso de água, luz, tel, funcionários, etc.
    A pergunta é, devo ter um salário fixo? Ele deve repassar algo dos seus atendimentos para a empresa? Estou trabalhando para mim e para ele? Estou muito confuso. Obrigado

Por favor, sinta-se livre para comentar

* campos obrigatórios

Assuntos mais buscados

Administração de recursos humanos Administração do tempo Atendimento ao cliente Capital de giro Comércio eletrônico Comércio eletrônico para micro e pequens empresas Crédito Custos Empreendedor individual Empreendedorismo Estratégia Faturamento Finanças Franquia Gestão de estoques Gestão de pessoas Gestão do conhecimento Gestão empresarial Informática Inovação Internet Legislação trabalhista Lucro Mão de obra Marketing Meio ambiente e sustentabilidade Mercado Negociação Pesquisa de mercado Planejamento Plano de negócios Podcast Precificação Produtividade Propaganda Publicidade Qualidade Responsabilidade Social Tecnologia Tendência Tratamento tributário Tributos Vídeo Varejo Vendas